8.6.09

Tenho de ler este livro



«...Era uma borboleta diurna, com asas que eram o seu cabelo a mover-se horizontalmente como se quisesse pousar e não tivesse tempo. A borboleta, um efeito alucinante mais, falava.»
In Guillermo Cabrera Infante, A Ninfa Inconstante,
Quetzal, série Américas, 2009,
tradução de Salvato Telles de Menezes, 2009, p. 27

Sem comentários: