26.9.11

Do universo pessoal

"diga-se ainda que as discussões universais dos homens
são sempre discussões particulares. Cada qual
está debruçado sobre o mundo
em parapeito frágil."

Gonçalo M. Tavares em "Uma viagem à Índia"

2 comentários:

Isabel Pires disse...

Não li este livro, por isso não conheço o contexto. De qualquer modo, ao ler esta frase associei-a àqueles que estão centrados no seu umbigo e, por isso, não conseguem ter tempo para os outros, não são capazes de estender uma mão e a empatia não lhes assenta em circunstância alguma.
Nesta linha de interpretação, que admito ser dura (não conheço o contexto, repito), urge que todos façamos alguma coisa para inverter esta situação. Às vezes, não é preciso muito para apoiar. A solidariedade também se faz de um olhar cúmplice, das mãos que se apertam enquanto as lágrimas rolam, de um silêncio apaziguador, de palavras de incentivo. E tantas outras formas.

marga disse...

Sim. E nao é só apregoar, há que agir. Dar um passo, chegar lá.
O contexto pouco importava para o caso. Por isso destaquei a frase assim, isoladamente. Eraesmo para suscitar todas as interpretações possíveis.
S ainda nao teve oportunidade de ler o livro, aceite esta sugestão e espero que s deleite com esta obra tanto como me tenho deliciado. O génio da escrita, d facto, é um dom que só alguns detêm.